Volátil Pinacoteca

Arquivo por Autor

Tô dizendo que a Síndrome de Aragorn é ampla e ataca quem a gente menos espera. Esse gato das fotos? Draco Malfoy. Quem diria.

Saiu na revista The HF de setembro todo trabalhado na magia (pun intended).

Mais pitacos de estréias, das duas que eu ainda não tinha visto.

Gossip Girl

Contraram a Televisa pra fazer essa temporada? Drama, gente rica fazendo nada, mais drama, mais gente rica fazendo nada. Tudo demais, tudo exagerado, tudo com caras e bocas. Até o Chuck me irritou (e olha que eu adoro ele). Um bando de adultos que ainda se comportam como se estivessem no colégio é o tipo de coisa que me irrita.

Sinceramente, só estou olhando Gossip Girl ainda de teimosa, por que já vi até agora e quero saber como acaba. E tomara que acabe nessa temporada mesmo.

Dexter

Dexter não me decepciona. Nunca. Esse episódio já me deixou loucamente ansiosa pelo próximo. Promete ser uma ótima temporada, com um assassino que – acho eu – será tão intrigante quanto o Trinity.

Tudo mais que eu falar será spoiler, então fico quieta. Só digo de novo: Dexter é muito amor.

Extra: Glee

Alguém por gentileza dá um Lacto Purga pra essa menina? Rachel Berry fez essa cara de dor de barriga em todos os episódios dessa temporada.

A gente sabe que ela se emociona, que ela canta com o coração, mas já deu. Como diria a Katylene, p00ta que parééééu, sabe. Muda de expressão. Quero ver quem ganha a competição de tenho-sempre-a-mesma-cara, ela ou o Samuel, um dos vencedores de Glee Project.

Amo Glee pra sempre, mas sério, tá brabo.

Não há como negar que ele foi um dos caras mais importantes da atualidade e que ajudou a mudar a história.

Eu trabalho numa área que não seria a mesma sem as idéias do Steve Jobs.De mais um monte de gente também, eu sei. Mas devemos a ele muito da computação como hoje a conhecemos.

Então, fica uma homenagem a um homem que provou que idéias loucas e sonhos impossíveis podem ser colocados em prática.

farewell

Sou só eu que aluciono com o toque e/ou o vibracall do meu telefone?

O melhor de tudo é que diversas vezes toca de verdade – e aí eu nem tô pro celular. É muito mais vívido quando ele está tocando e vibrando alegremente dentro da minha cabeça.

Hoje só tem um parabéns bem grande e lindo e fofo pro meu amor.

Consigo pensar em um milhão e meio de coisas bregas pra dizer, outro milhão e meio de piadinhas bobocas, mas não. Serei simples, como as coisas boas devem ser.

Pinky, feliz aniversário e tudo de bom sempre.

Eu vejo séries demais. Isso é notório, só dar uma espiada no meu Orangotag. Estou tentando não entrar em pânico e me manter em dia com as estréias. E como todo mundo está fazendo reviews a torto e a direito, também quero dar os meus pitacos.

Vou me prender só nas que estrearam novas temporadas agorinha e eu estou em dia (o que exclui Fringe, Boardwalk Empire e Vampire Diaries). E só as que eu vi até agora (isso exclui Gossip Girl). E tem spoilers leves, se você não quer saber, beijo, tchau, volte amanhã.

Community

Esses FDP que disseram que Community ia ficar menos estranha, mais normalzinha. Que declararam isso em tom todo formal e a bobalhona aqui caiu como um pato. Fuéeééém, primeira cena é com um musical tirando com a cara de Glee e dessas declarações todas.

Foi um bom começo de temporada. Nada enlouquecedoramente genial, mas deixou bons ganchos. Jeff versus Pierce ainda vai render mais, pra mais que ao que parece, o tio-férias-frustradas está ganhando agora. Mas fiquei empolgada que a série não vai deixar de ser essa doença que ela é, por que senão perderia toda a graça.

How I Met You Mother

Tudo legalzinho, coração acelerando e quebrando logo em seguida com a dancinha do Barney e da Robin (fiquem juntos de uma vez, porraaaan), Marshall bêbado sendo engraçado e fofo e toda aquela interação cuti-cuti com a Lily, aquela vadia da Nora de volta (team Robin forever, bitche), nada de muito novo.

Até que no final do segundo episódio tem um efeito AAAAWWWWWWWN gigante. Não vou ilustrar pra não dar um mega spoiler, mas fiquem com esse coelho que é tão fofo quanto.

Parks and Recreation

Chorei, chorei, chorei. Sim, é engraçado como sempre, mas emociona por que PaR consegue ser triste e bonitinho ao mesmo tempo.

Amo demais a Leslie Knope e acho que me identifico com essa coisa de (tentar) ser certinha, mas ter fortes momentos aloka. Me identifico com a Leslie bêbada e com os sugar rush. Adorei o início da temporada, pra mais com um episódio chamada “I’m Leslie Knope”, todinho focado nela, mas também com  sacadas geniais do Ron, a falta de noção do Tom, a ingenuidade do Andy. Só eu que acho o Andy e a April muito nhóim?

Ah sim: eu tenho medo da Tammy 1. Nossa senhora da bicicletinha, que mulher assustadora.

Glee

Rachel e Kurt cantam musicais, a Quinn tá revoltadinha, Rachel e Kurt cantam musicais,  namoradinho do Kurt entra pro New Directions, Rachel e Kurt cantam musicais, Santana é malvada, Rachel e Kurt cantam musicais, aparece a bitche de Glee Project.

E Rachel e Kurt cantam musicais.

zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz ronc

The Big Bang Theory

super fashion geek

É, foi legal. Engraçadinho e tal. Talvez dê uma boa temporada. Disseram que iam focar menos nos relacionamentos, mas tem um episódio inteiro do Leonard tentando fazer sexo pela webcam. Meh.

Gosto da Amy, que ainda traz alguns pontinhos de nerdice pra série. Por que né, eu tenho vontade de pegar essas pessoas que acham que TBBT ainda é uma série nerd, enfiar a cabeça delas na privada e dar descarga até que  tenham um choque de realidade. Foi uma série nerd até a primeira temporada. Depois as piadas começaram a se abrandar, depois começaram a ser explicadas e depois sumiram.

Hoje TBBT é uma série sobre um cara com Síndrome de Asperger e seus amiguinhos esquisitos. Não quer dizer que seja ruim. Só não é uma série nerd e não me empolga como antes.

Modern Family

Modern Family é ótima.  Voltou com dois episódios de uma vez, um bem diferente do outro. Nenhum dos dois me fez ver estrelinhas, mas mantiveram o padrão que justifica os prêmios que a série ganhou.

Pra não dizer que eu não pirei com nada, curti muito a Lily crescidinha e a Gloria despirocando e deixando o lado trombadinha cresci-numa-vizinhança-pobre-na-Colômbia se combinar com o lado mãezona.

Mas eu adoro Modern Family mesmo quando os episódios não me enlouquecem, é uma ótima série e eu acho que não perde o gás tão cedo.

Extra: New Girl

AAAAAAAAAAAAAWWWWWWWWWWWNNNNNNNNNNNNNN OH MEU DEUS ELA TEM OLHOS TÃO GRANDES ELA É ATRAPALHADA AI QUE BONITINHA OH MEU DEUS ELA TEM OLHOS TÃO GRANDES

Eu *coraçãozinho* a Zooye. Sou uma hipster bobalhona cara-de-mamão que escuta She & Him. E amei tudo. Meu guilty pleasure da temporada.

Quebrei minha capinha do iPhone a pouco tempo, e eu tenho fobia de andar com ele sem capinha. Coordenação motora não habita nesse corpinho e ter um celular todo feito de vidro não é algo que me deixe exatamente segura.

Aí que minhas opções eram pagar mais de 100 reais numa capinha aqui no Brasil ou esperar três meses pra chegar uma comprada no Deal Xtreme. And I said no, no, no. Até que no sábado eu passei numa lojinha de conveniência e vi essa promoção: uma carteira de Malboro + uma capinha de iPhone4 por 10 reais.

Mimimimimi isso é apologia ao fumo, eu nem fumo, cigarro é feio, mau e fedorento, mimimimimimi. Toca os cigarros na privada ou dá pra um amiguinho, whatever. Pra mim, é uma capinha de iPhone bonitinha a 10 pilas.

Não sei se tem outros modelos, não sei se a promo vale pro Brasil todo e obviamente a Malboro não está me pagando um centavo pra fazer propaganda pra eles. Só achei legal e resolvi compartilhar. Fica a dica.


Um blog sobre tudo, nada ou o que me der na telha. Volátil.

Twitter